Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2018 > Agosto > Governo central registra déficit de R$ 7,5 bilhões em julho

Notícias

Governo central registra déficit de R$ 7,5 bilhões em julho

Contas públicas

No acumulado do ano o déficit primário é de R$ 38,9 bilhões
publicado: 30/08/2018 18h35 última modificação: 30/08/2018 18h35

A Secretaria do Tesouro Nacional apresentou nesta quinta-feira (30) o resultado do governo central do mês de julho. O resultado foi deficitário em R$ 7,5 bilhões, decorrente de uma receita total líquida de R$ 106,4 bilhões e despesa total de R$ 113,9 bilhões no último mês. Em julho de 2017 o déficit para o mês foi de R$ 20,2 bilhões. No acumulado de janeiro a julho o déficit primário chegou a R$ 38,9 bilhões, frente a déficit de R$ 76,6 bilhões em 2017. 

A melhora do resultado neste exercício se deve, de acordo com a Secretaria do Tesouro Nacional, ao aumento da receita, influenciado pela melhora dos principais indicadores econômicos, a arrecadação com os programas de regularização tributária, o comportamento da receita não administrada, como dividendos e participações, e o impacto dos resgates do Fundo Soberano (R$ 4,5 bilhões), extinto em maio deste ano. 

No acumulado de 12 meses, o resultado primário do governo central alcançou déficit R$ 88,5 bilhões, o que equivale a -1, 28 % do PIB. O resultado primário projetado para o governo central em 2018 é de déficit de R$ 159 bilhões, equivalente a 2,29 % do PIB. A projeção de resultado  para o período de agosto a dezembro deste é ano é um déficit de R$ 120 bilhões.  

Receitas 

Na média móvel em 12 meses até julho, houve crescimento real de 9,5% da receita administrada pela Receita Federal do Brasil (RFB) em comparação com o mesmo período no ano anterior.  Houve também aumento de 19% das receitas não administradas, com destaque para cota-parte de compensações financeiras (R$ 12,6 bilhões) e dividendos (R$ 1,2 bilhões). Já no Regime Geral de Previdência Social (RGPS) houve elevação na arrecadação líquida de 2,1% considerando o mesmo período. 

Despesas 

No acumulado do ano a despesa total ficou ficou R$ 14 bilhões (1,9%) superior em comparação com mesmo período do último ano. As despesas obrigatórias, como proporção da receita líquida, atingiram o patamar de 96% no acumulado de 12 meses. Para retornar ao patamar de 2010, quando era de 74 %, seria necessário uma redução das despesas obrigatórias de R$ 290,5 bilhões (4,2% do PIB) ou uma elevação da receita líquida de R$ 393,7 bilhões (5,7% do PIB). Já as despesas discricionárias, (onde se situam custeio e investimentos) retornaram, em termos reais, ao patamar de 2010, devido à pressão sofrida pelo crescimento das despesas obrigatórias. Essas despesas devem atingir R$ 130 bilhões no final deste ano. 

Previdência Social (RGPS) 

No acumulado de 2018 a despesa com o Regime Geral de Previdência Social (RGPS) registrou déficit de R$ 101,7 bilhões, enquanto o Tesouro Nacional e o Banco Central foram superavitários em R$ 68 bilhões.


Multimídia

30/08/2018 Tesouro divulga Resultado Primário do Governo Central de julho