Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2017 > Abril > Secretário-geral do Clube de Paris faz primeira visita ao Brasil após adesão formal do país

Notícias

Secretário-geral do Clube de Paris faz primeira visita ao Brasil após adesão formal do país

Sain

Geoffrou Cailloux reuniu-se com secretário de Assuntos Internacionais do Ministério da Fazenda
publicado: 10/04/2017 18h35 última modificação: 05/06/2017 17h32

O secretário de Assuntos Internacionais do Ministério da Fazenda, Marcello Estevão, reuniu-se na última quinta-feira (06/04) com o secretário-geral do Clube de Paris, Geoffroy Cailloux, em sua primeira visita ao Brasil após o país tornar-se membro da entidade. 

O termo de adesão formal do Brasil no Clube de Paris  foi assinado no final do ano passado (30/12) pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e pelo embaixador da França no Brasil, Laurent Bili, durante solenidade em Brasília. 

Em sua visita ao país, Cailloux apresentou aos membros do Comitê de Financiamento e Garantia das Exportações (COFIG) e do Comitê de Avaliação de Créditos ao Exterior (COMACE) informações gerais sobre o Clube de Paris, sua história, princípios e procedimentos principais. Além disso, participou de uma palestra sobre aspectos legais da reestruturação de dívida soberana e debate sobre alguns temas de destaque na pauta de discussão atual do Clube. 

Além de Marcello Estevão, o secretário-geral da entidade reuniu-se com o embaixador Carlos Márcio Cozendey, subsecretário-geral de Assuntos Econômicos e Financeiros do Ministério das Relações Exteriores. 

Principal fórum de reestruturação bilateral de dividas, o Clube de Paris é um grupo informal de países que se reúne com o objetivo de encontrar soluções coordenadas e sustentáveis para as dificuldades de recuperação de créditos frente a países devedores.

Em declaração à imprensa à época da assinatura, Meirelles destacou que a adesão formal ao grupo mostra a confiança dos credores internacionais de que o Brasil já está adotando políticas e reformas objetivas para consolidar sua posição como credor, principalmente no momento em que o país corrige estruturalmente a questão da dívida interna.