Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2015 > Novembro > Conef divulga iniciativas de educação financeira credenciadas com selo Enef

Notícias

Conef divulga iniciativas de educação financeira credenciadas com selo Enef

Nota à imprensa

De 89 inscritos, foram aprovadas 32 iniciativas, que são gratuitas e inclusivas ao usuário final
publicado: 06/11/2015 00h00 última modificação: 15/04/2016 14h16

O Comitê Nacional de Educação Financeira (Conef), por meio de comissão avaliadora, publicou nesta sexta-feira (06/11), no Diário Oficial da União, o resultado do edital para concessão do Selo Enef a iniciativas de educação financeira. O Selo tem o objetivo de reconhecer as iniciativas alinhadas à Estratégia Nacional de Educação Financeira (Enef) e, assim, contribuir para o fortalecimento e a disseminação do tema no país.

O Conef recebeu inscrições de 89 interessadas em receber o selo. Após análise da comissão, foram aprovadas 32 iniciativas que atenderam plenamente às regras do edital, sendo ainda inclusivas e gratuitas ao usuário final. A relação completa dos credenciados está disponível no site www.vidaedinheiro.gov.br.

O selo poderá ser utilizado a partir de 1º de janeiro de 2016, conforme manual a ser divulgado em breve pelo Conef.

Estratégia Nacional de Educação Financeira (Enef)

Instituída pelo Decreto 7.397/2010, a Enef tem por objetivo promover a educação financeira e previdenciária, aumentar a capacidade do cidadão de realizar escolhas conscientes sobre a administração dos seus recursos e, ainda, contribuir para a eficiência e a solidez dos mercados financeiro, de capitais, de seguros, de previdência e de capitalização.

O Conef é a instância responsável pela direção, supervisão e pelo fomento da Enef. O Comitê é composto por 12 membros, sendo oito representantes de órgãos e entidades governamentais (Ministério da Fazenda, Ministério da Educação, Ministério do Trabalho e Previdência Social, Ministério da Justiça, Banco Central, Comissão de Valores Mobiliários, Superintendência de Seguros Privados – Susep e Superintendência Nacional de Previdência Complementar – Previc) e quatro representantes de organizações da sociedade civil (Anbima, BM&FBovespa, Febraban e CNseg).